Destinos Paradisiacos no Brasil

posted in: Paula Tooths | 0

(LONDRES) por Paula Tooths

 

Com o tempo ruim em Londres, quem não tem sonhado com o calor do Brasil? Conversamos com Alison, dona de um grande site de turismo brasileiro, que indicou quais destinos escondidos do país devem estar no topo de sua lista de viagem para o novo ano que começa

 

Barra Grande, Piauí

 

“Barra Grande é hoje o que a praia de Jericoacoara era há 20 anos”, diz Alison. Essa simples vila de pescadores está apenas começando a ficar conhecida, graças às suas lindas pousadas, praias espetaculares e ótimas condições para a prática de kitesurf. “Não é o melhor lugar se você está à procura de vida noturna, mas o que você vai encontrar é um paraíso: céu azul, areia branca e cerveja gelada”.

Barra Grande fica à uma hora e meia de Parnaiba e não é o lugar mais fácil de chegar. Apesar disso, Alison descreve o tempo que passou lá como “extasiante” – acordando com o som das ondas do mar e passando as tardes em restaurantes à beira da praia, com direito a peixes para todos os gostos e paisagens deslumbrantes.

Para quem deseja conhecer outras atrações do Estado do Piauí, Alison recomenda o Parque Nacional Serra da Capivara. “Lá você vai encontrar milhares de desenhos feitos nas pedras, alguns há mais de 30 mil anos. É absolutamente impressionante”, ela conta.

Onde ficar: Terra Patris Atellier

“Essa pousada é simplesmente linda. São apenas três bangalôs com teto de palha, uma recepção circular, uma área de repouso e uma grande e convidativa piscina”, descreve Alison. “Há wi-fi disponível, excelente música e uma sensação de bem estar indescritível. Nathalia e seu marido Marco são os donos do local – dois paulistas super amigáveis que conseguiram escapar da vida corporativa da cidade”.

 

Barreirinhas e Lençóis Maranhenses, Maranhão

 

“Barreirinhas é uma cidade que se espalha pelas margens do Rio Preguiças, ponto de partida ideal para uma viagem aos Lençóis Maranheses”, indica Alison. “E se ficar do lado mais pacato do rio, o único barulho que irá escutar será das árvores e dos passarinhos”.

Alison recomenda chegar ao local por São Luís, capital do Maranhão, de onde você pode pegar uma condução que sai às 7h – direto da pousada ou do hotel em que você estiver hospedado. Dessa forma, é possível chegar a Barreirinhas por volta do meio dia, em tempo para almoçar e aproveitar o passeio pelas dunas que começa às 14h.

O melhor período do ano para conhecer os Lençóis Maranhenses é entre julho e novembro – quando as lagoas ficam cheias. “Só não esqueça o chapéu, o protetor solar e o repelente”, alerta Alison.

Onde ficar: Sossego do Cantinho

“Esse é definitivamente o melhor lugar para ficar na região. Localizado na margem do rio, oferece um ambiente calmo e silencioso, ainda que fique a apenas 15 minutos a pé do centrinho da cidade, onde é possível encontrar restaurantes, bares e lojas”.

A pousada tem apenas quatro bangalôs, mas são todos espaçosos, com camas confortáveis, ar condicionado, geladeira e TV a cabo.

 

Icaraizinho de Amontada, Ceará

 

“Com uma paisagem formada por praias, dunas, surfistas e lagoas, esse é um local onde tudo que você irá ouvir é o barulho do mar e do vento”, garante Alison. “Você provavelmente não vai encontrar Icaraizinho de Amontada na maioria dos mapas, mas o lugar fica na costa do Ceará, 198 km ao norte de Fortaleza”. A própria Alison, por sinal, descobriu a vila por acaso, quando dirigia pelas praias desertas do Maranhão, Piauí e Ceará com uma caminhonete 4×4.

Alison descreve Icaraizinho como “um lugar onde todo mundo conhece todo mundo, com uma igreja, uma praça e um bar, perfeito para relaxar tomando uma cerveja logo depois de sair do mar”.

Quando você estivar suficientemente relaxado, haverá muitas coisas para fazer, como praticar kitesurf, passear de buggy pelas dunas durante o por do sol, saborear frutos do mar fresquinhos no restaurante do Zé e tomar caipirinhas com os pés no rio Aracatiassu.

Se você não tiver um carro, a pousada pode organizar um transfer a partir do aeroporto de Fortaleza por R$ 350. Há também o ônibus FretCar que sai da capital cearense todos os dias às 14h.

Onde ficar: Casa Zulu

“A pousada tem ao todo seis suítes, todas rodeadas por um jardim tropical”, diz Alison. Os hóspedes podem esperar conforto, ar condicionado, TV, camas confortáveis e excelentes chuveiros.

“O que eu mais gosto nessa pousada é que a praia fica à sua porta. Além disso, tem uma piscina deliciosa e está localizada no centro da vila. Há uma atmosfera internacional bastante amistosa”.

 

Chapada Diamantina, Bahia

 

Não poderia faltar, é claro, destinos pelo interior do Brasil. A Chapada Diamantina, na Bahia, fica a cinco horas de Salvador e oferece belezas naturais abundantes, incluindo imensas cachoeiras e cavernas para explorar. Para conhecer o parque nacional, há duas cidades que servem como ponto de partida: Lençóis e Palmeiras.

“Esse é um lugar extraordinário – o curioso é que as montanhas chapadas datam de bilhões de anos e já estiveram no fundo do oceano”, conta Alison. “O Vale do Capão tem mil metros de altitude e a temperatura lá é mais baixa do que a da costa da Bahia – média de 19º C durante praticamente todo o ano”.

Onde ficar: Lagoa das Cores

“Esse lugar é mágico! Os donos, Marcos e Vania, trabalham para combinar princípios ecológicos com estilo e conforto – tudo em um dos lugares mais bonitos do mundo rodeado por montanhas. Alguns quartos têm até lareiras para as noites mais frias”.

 

Santana dos Montes, Minas Gerais

 

“Eis um excelente ponto de repouso para quem pretende visitar as cidades históricas de Tiradentes e Ouro Preto – mas você vai precisar de um carro”, aponta Alison. “Os visitantes podem nadar em cachoeiras, piscinas naturais e lagoas, passear a cavalo ou de bicicleta e caminhar pelas montanhas”.

Onde ficar: Fazenda Santa Marina

“Totalmente restaurada, essa fazenda do século 19 oferece aos visitantes um amplo e luxuoso espaço rodeado por montanhas. A comida caseira é deliciosa e os hóspedes também podem aproveitar piscina, sauna e um spa. Não há internet nem conexão para celular – o que é na verdade uma vantagem para quem quer aproveitar a mágica do local”, revela Alison.